Vale a pena o upgrade para o Windows 8?

Faça um rap sobre o Windows Azure e concorra a uma viagem e um carrão
12 de outubro de 2012
Nexus 4 é revelado: quad-core, Android 4.2 e metade do preço do iPhone
30 de outubro de 2012

Vale a pena fazer o upgrade para o Windows 8? Especialistas ouvidos pela NEGÓCIOS não hesitam em dizer que não. “O melhor a fazer no momento é continuar com o Windows 7”, afirma Michael Silver, analista do Gartner.

O novo sistema chega às lojas brasileiras nesta sexta-feira (26/10) por R$ 269,00 (preço sugerido para o Windows 8 Pro). Mas a dica de quem entende é esperar de seis meses a um ano para fazer a migração. “Esse tempo é ideal para aguardar os pacotes de correção de possíveis problemas, que são normais”, afirma João Carlos Lopes Fernandes, professor do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade de Tecnologia (Fatec) de São Caetano.

A compatibilidade dos programas que rodavam nas versões anteriores é outra questão a ser considerada. Programas que hoje rodam no Windows XP, Vista ou 7 poderão não funcionar na versão 8, ou seja, o usuário precisa estar ciente de que terá de correr atrás (e, em alguns casos, pagar) para atualizar seus programas – confira a compabilidade dos programas na “Compatibility Center“, da Microsoft.

A capacidade das máquinas também deve ser levada em conta. “O novo sistema requer um maior nível de processamento e mais memória para ter qualidade. A máquina que roda um Windows 7 não terá a mesma performance com o 8”, afirma João Fernandes, da Fatec.

Para funcionar corretamente, o Windows exige, no mínimo, um processador de 1GHz, 1GB de RAM (32 bits) ou 2 GB de RAM (64 bits), o espaço em disco precisa ser de 16 GB (32 bits) ou 20 GB (64 bits) e a placa gráfica precisa rodar o Microsoft DirectX 9 ou superior com driver WDDM. “Essa é a configuração mínima para o sistema funcionar. O ideal é dobrar a recomendação para aproveitar todos os recursos do software”, diz Fernandes.

Fonte: Época Negócios.